Este pretende ser um "espaço" público de partilha de ideias, um espaço de comunicação...

30
Jun 15

               

      "Desprezo o que dizes, mas defenderei até à morte o teu direito a dizê-lo”.

       É com esta afirmação atribuída a Voltaire, filósofo do iluminismo francês, que Nigel Warburton principia o seu ensaio sobre Liberdade de Expressão. A liberdade de expressão – entendida num sentido amplo, onde se inclui a palavra escrita, as peças teatrais, os filmes, vídeos, as fotografias, os cartunes, as pinturas, entre outros – é um direito consagrado no artigo 19.º da Declaração Universal dos Direitos do Homem (1948).       

      A liberdade de expressão é particularmente valiosa numa sociedade democrática, ao ponto de haver, mesmo, quem sustente que na ausência de uma ampla liberdade de expressão nenhum governo seria de todo legítimo e não deveria ser denominado democrático. Esta é a perspetiva defendida por Ronald Dworkin, para quem “A livre expressão é uma das condições de um governo legítimo. As leis e políticas não são legítimas a menos que tenham sido adotadas por meio de um processo democrático, e um processo não é democrático se o governo impediu alguém de exprimir as suas convicções acerca de quais devem ser essas leis e políticas.”

       Desde os alvores da democracia ateniense que são sobejamente conhecidas as suas relações com a argumentação e a retórica.

       Porém, tal como a retórica e a argumentação podem ser postas ao serviço da mentira e da manipulação, também em relação à liberdade de expressão se coloca a questão dos seus limites. Não deve a liberdade de expressão ser restringida em circunstância alguma ou há limites para a livre expressão? Se há limites à livre expressão não corremos o risco da derrapagem que irá desembocar no totalitarismo?

       Estas e outras questões são tratadas no ensaio de Nigel Warburton, recentemente publicado pela Gradiva.

publicado por Carlos João da Cunha Silva às 00:24

Olá! Estou com dúvida nesse trecho em relação a que se refere a expressão "suas relações"...Se está se referindo a liberdade de expressão, ou seja, são as relações dela que são conhecidas com a argumentação e a retórica OU são as relações da democracia ateniense com a argumentação e a retórica.

"Desde os alvores da democracia ateniense que são sobejamente conhecidas as suas relações com a argumentação e a retórica."
Anónimo a 13 de Março de 2020 às 14:55

Olá, Carlos.
Estou com a mesma dúvida do colega com relaçao ao referente de "as suas": seria a democracia ateniense ou a liberdade de expressão?

Anónimo a 21 de Maio de 2020 às 12:34

Junho 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Filosofia
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO