Este pretende ser um "espaço" público de partilha de ideias, um espaço de comunicação...

02
Mar 14

Uma das questões mais radicais – no sentido de procurar os fundamentos últimos – consiste em perguntar “O que é o Homem”.

Kant considera que todas as questões convergem para ela.

Na tentativa de responder à questão, o pensamento enveredou, frequentemente, pelo dualismo.

Este dualismo exprime uma tensão vivida.

Anselmo Borges afirma o seguinte, a este propósito:

“eu sou um corpo que diz eu, mas ao mesmo tempo penso-me como tendo um corpo, pois o eu fontal parece não identificar-se com o corpo.

É como se houvesse no homem um excesso face ao corpo, experienciado, por exemplo, na possibilidade do suicídio: eu posso matar-me.

Ao contrário da morte do corpo (…) eu morrer é incompreensível e, em última análise, impensável”.

Também a literatura aborda a questão.

Vergílio Ferreira, em Pensar, afirma o seguinte:

“Um corpo e o que em obra superior ele produz. Como é fascinante pensá-lo. Um novelo de tripas, de sebo, de matéria viscosa e repelente, um incansável produtor de lixo. Uma podridão insofrida, impaciente de se manifestar, de rebentar o que a trava, sustida a custo a toda a hora para a decência do convívio, um equilíbrio difícil em dois pés precários, uma latrina ambulante, um saco de esterco. E simultaneamente, na visibilidade disso, a harmonia de uma face, a sua possível beleza e sobretudo o prodígio de uma palavra, uma ideia, um gesto, uma obra de arte. Construir o máximo da sublimidade sob o mais baixo e vil e asqueroso. Um homem. dá vontade de chorar. De alegria, de ternura, de compaixão. Dá vontade de enlouquecer”.

publicado por Carlos João da Cunha Silva às 14:33

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
22

23
24
25
26
27
28

30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Filosofia
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO