Este pretende ser um "espaço" público de partilha de ideias, um espaço de comunicação...

24
Nov 13

Giges e Candaules: a beleza da rainha, de Jean-Leon Gerome

 

É na senda de uma resposta à questão “Por que havemos de ser morais?” que Platão, no Livro II da “República”, coloca na boca de Gláucon, um dos interlocutores, as seguintes palavras formuladas em forma de conclusão:  

 

“E disto se poderá afirmar que é uma grande prova de que ninguém é justo por sua vontade, mas constrangido, por entender que a justiça não é um bem para si, individualmente, uma vez que, quando cada um julga que lhe é possível cometer injustiças, comete-as. Efectivamente, todos os homens acreditam que lhes é muito mais vantajosa, individualmente, a injustiça do que a justiça.”

 

Na opinião de Gláucon, todos nos comportaríamos como Giges se pudéssemos escapar impunemente.

 

Giges  “era um pastor que servia em casa do que era então soberano da Lídia. Devido a uma grande tempestade e tremor de terra, rasgou-se o solo e abriu-se uma fenda no local onde ele apascentava o rebanho. Admirado ao ver tal coisa, desceu por lá e contemplou, entre outras maravilhas que para aí fantasiam, um cavalo de bronze, oco, com umas aberturas, espreitando através das quais viu lá dentro um cadáver, aparentemente maior do que um homem, e que não tinha mais nada senão um anel de ouro na mão. Arrancou-lho e saiu. Ora, como os pastores se tivessem reunido, da maneira habitual, a fim de comunicarem ao rei, todos os meses, o que dizia respeito aos rebanhos, Giges foi lá também, com o seu anel. Estando ele, pois, sentado no meio dos outros, deu por acaso uma volta ao engaste do anel para dentro, em direcção à parte interna da mão, e, ao fazer isso, tornou-se invisível para os que estavam ao lado, os quais falavam dele como se se tivesse ido embora. Admirado, passou de novo a mão pelo anel e virou para fora o engaste. Assim que o fez, tornou-se visível. Tendo observado estes factos, experimentou, a ver se o anel tinha aquele poder, e verificou que, se voltasse o engaste para dentro, se tornava invisível; se o voltasse para fora, ficava visível. Assim senhor de si, logo tratou de ser um dos delegados que iam junto do rei. Uma vez lá chegado, seduziu a mulher do soberano, e com o auxílio dela, atacou-o e matou-o, e assim se assenhoreou do poder.”       República. Lisboa: Gulbenkian, 4ª ed., 1983, pp. 55-60.

 

Giges, sob o “escudo” da invisibilidade, deixou de orientar as suas acções pela “bússola” dos valores.

Uma vez removidas a possibilidade de ser descoberto e, consequentemente, punido, passa a desempenhar o papel de um vilão.

Haverá, afinal de contas, algum mal nisso?

Por que razão havemos de ser morais, sobretudo se o comportamento imoral pode ser vantajoso para o agente?

publicado por Carlos João da Cunha Silva às 23:04

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Novembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
16

17
18
19
20
21
22
23

25
26
27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Filosofia
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO