Este pretende ser um "espaço" público de partilha de ideias, um espaço de comunicação...

13
Out 13

 

Séneca, filósofo da corrente estoica, afirmava que o homem é uma coisa sagrada para o homem.

A palavra "sagrado" tem a sua raiz no latim sacrum e diz-se, entre outras coisas, do que é inviolável, intocável.

Como poderemos (re) interpretar, no presente, a afirmação de Séneca?

É por demais sabido que na época do filósofo os parcos conhecimentos inviabilizavam o desenvolvimento de projetos científicos, nomeadamente, no âmbito da clonagem.

Porém, o que ontem era uma quimera tornou-se, hoje, uma possibilidade, em virtude dos “progressos” alcançados no domínio da ciência e da técnica.

De que se trata, afinal, a clonagem?

Antes de se esboçar uma resposta à questão, há que distinguir entre a clonagem reprodutiva e a clonagem terapêutica.

A primeira, significa criar um organismo geneticamente idêntico ao seu modelo. Para o alcançar, retira-se o núcleo a uma célula humana, no qual está contida a totalidade do material hereditário. Depois, procura-se um óvulo e retira-se-lhe o núcleo. Então, o núcleo da célula corporal é introduzido no óvulo desnucleado. O óvulo, assim manipulado, implanta-se no útero de uma mãe hospedeira e, decorridos nove meses, nasceria uma réplica “perfeita” do original – caso a experiência fosse bem-sucedida.

O segundo tipo de clonagem, a terapêutica, parte da ideia segundo a qual, com o auxílio de tecidos embrionários, pode ser possível criar órgãos, com o intuito de serem implantados em pessoas doentes.

Mais consensual do ponto de vista ético, a clonagem terapêutica não tem gerado o mesmo número de questões levantadas pela clonagem reprodutiva – conceito ambíguo, dado que toda a clonagem é sempre reprodutiva, “duplicante”.

Qual o problema da clonagem aplicada a seres humanos?

Como refere André Comte- Sponville – Apresentações da Filosofia – "a humanidade não é uma criação, mas uma transmissão, não é uma invenção mas uma fidelidade, uma filiação. A humanidade é recebida antes de ser criada ou criadora, é natural, antes de ser cultural. É-se homem por se ser filho do homem”.

Ora, ser filho de um homem e de uma mulher  torna cada um de nós – com a exceção dos casos da clonagem e dos gémeos verdadeiros – uma experiência genética única, irrepetível.

Torna-nos in-divíduos.

Pois bem, "um ser humano gerado através da clonagem reprodutiva teria problemas em experienciar-se como indivíduo, como um ente não dividido. Em vez de ser singular, seria uma cópia”, como alude Richard David Precht – Quem Sou Eu? E, Se Sou, Quantos?

Além do que, como afirma Kant, “o homem é um fim em si mesmo”, não um meio.

Ora a clonagem, sustentam os seus críticos, transforma o homem num meio e parece atentar contra a sua dignidade.

Porém, esta questão filosófica, como muitas outras, mantém-se em aberto.

publicado por Carlos João da Cunha Silva às 00:09

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Outubro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
19

21
22
23
24
25
26

27
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Filosofia
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO