Este pretende ser um "espaço" público de partilha de ideias, um espaço de comunicação...

19
Set 13

  

Miguel Ângelo, A Criação do Homem

 

Em Ter ou Ser (editorial Presença, p. 32) Erich Fromm afirma, a propósito da palavra “ter”, o seguinte:

 

Todo o ser humano teve sempre alguma coisa: um corpo, roupas, um abrigo – até ao homem moderno que tem um carro, um aparelho de televisão, uma máquina de lavar, etc … Viver sem possuir qualquer coisa é totalmente impossível. Por que motivo o “ter” constituirá, então, um problema?

 

 Analisando a questão numa perspetiva histórico-linguística, Fromm acrescenta:

 

Para aqueles que acreditam que “ter” é a forma mais natural da existência humana, poderá ser uma surpresa descobrirem que muitas línguas não possuem nenhum termo equivalente a ter.

  

Tal é o caso do hebraico.

 

Este pequeno exemplo parece demonstrar que em cada língua está plasmada ou materializada uma visão particular do mundo, uma conceção do mundo, como defendem Herder – discípulo de Kant – e Humboldt.

Como tal, percecionamos o mundo a partir da linguagem e a língua é utilizada não só para transmitir informações mas também para expressar uma perspetiva do mundo, como demonstraram os etnolinguistas Eduard Sapir e Benjamin Lee Whorf nas suas observações in loco dos índios Hoppi.

Deste modo, podemos concluir que o “mundo real” é construído, de modo inconsciente, através dos padrões linguísticos do grupo humano a que se pertence.

Esta forma de encarar a linguagem é análoga à corrente hermenêutica da filosofia desenvolvida por Heidegger e Gadamer.

Entre o homem pensante, o sujeito, e o mundo em si, o objeto, a moderna hermenêutica coloca a linguagem. 

O que conhecemos, conhecemo-lo pela mediação da linguagem.

Tal significa, à maneira Kantiana, que não conhecemos “as coisas em si” mas apenas como andam ditas na linguagem, na sua configuração linguística e cultural (a linguagem é a casa do ser).

Martin Heidegger foi o primeiro a contestar a tradicional maneira de ver o conhecimento como uma representação das coisas na consciência. Segundo ele, não existe dualidade sujeito – objeto. Apenas existem dois planos: o do ser (objeto, mundo) e o da linguagem (palavra). O ser não vem à palavra pela mediação da ideia, como se esta lhe fosse anterior. O dizer-se do ser identifica-se com o próprio ser.

publicado por Carlos João da Cunha Silva às 20:09

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Setembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
20
21

22
23
24
25
26
27

29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Filosofia
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO