Este pretende ser um "espaço" público de partilha de ideias, um espaço de comunicação...

07
Jul 13

A definição de ação humana – e toda a rede de conceitos a ela associada (Paul Ricoeur, O Discurso da Ação) – pressupõe, à partida, a existência de uma vontade livre (livre arbítrio).

Sem livre-arbítrio, como poderíamos falar em “interferência consciente e voluntária de um agente no normal decurso das coisas, que sem a sua interferência seguiriam um caminho distinto”?

Sem livre-arbítrio, como poderíamos deliberar e decidir?

Sem livre-arbítrio, as ações não passariam de meros acontecimentos.

Porém, os recentes progressos ao nível do conhecimento científico, nomeadamente no domínio das neurociências, constituem fortes argumentos contra o livre-arbítrio.

São disso exemplo, os argumentos aduzidos pelas experiências conduzidas por Benjamin Libet, H. Kornhuber ou por José Delgado, no âmbito das neurociências.

Tais experiências revelam que enquanto a decisão consciente de mover um dedo, por exemplo, ocorre uma fração de segundo antes do movimento do dedo, a atividade elétrica do cérebro, medida por um Eletroencefalograma, mostra que a decisão de mover o dedo ocorre depois da atividade cerebral que causa esse mesmo movimento do dedo.

Tal experiência parece demonstrar que a afirmação de uma vontade livre é uma ilusão.

Inserindo-se nesta linha de pensamento, José António Alves, em Limites da Consciência – o Meio Segundo de Atraso e a Ilusão da Liberdade – desenvolve a ideia de que a liberdade humana é ilusória.

 

São suas, as seguintes palavras:

 

“A tradição filosófica concebe que nas ações livres são os pensamentos ou desejos de ação a causa da ação. Quando um ser humano afirma que vai levantar o braço direito, a causa dessa ação é a vontade de querer levantar o braço direito inerente à afirmação proferida. Libet sublinha que se a afirmação do ser humano é a causa da ação, então o surgir da afirmação na consciência deverá ser anterior ou simultâneo a qualquer atividade física do cérebro.

(Porém), os resultados obtidos por Libet contradisseram a ideia de que a vontade precede ou, pelo menos, está no início da atividade cerebral associada à ação livre. No confronto dos dois tipos de valores temporais, os investigadores descobriram que a atividade cerebral física precede sempre o momento em que o sujeito se torna consciente de querer agir. “ (Op. Cit., Pág. 80) 

publicado por Carlos João da Cunha Silva às 16:30

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Julho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

14
15
16
19
20

22
23
24
25
27

28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Filosofia
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO