Este pretende ser um "espaço" público de partilha de ideias, um espaço de comunicação...

28
Jun 13

A nossa sociedade de consumo - ou o "tempo dos objetos", expressão utilizada por Baudrillard - é uma sociedade caracterizada pela abundância e circulação massiva de objetos que moldam a existência humana.

Na sociedade ocidental, "Ter" parece constituir uma condição necessária e suficiente para se Ser Feliz.

Com efeito, é indiscutível o poder de sedução exercido por diversos objetos, em particular os "objetos" tecnolológicos, nos mais jovens.

Poderíamos enumerar uma lista quase infindável desses objetos: telemóveis, iPods, Mp3, Mp4, computadores.

Tais objetos parecem exercer um poder verdadeiramente hipnotizante, em especial nos mais jovens, alienando-os da realidade, fazendo-os tomar o virtual pelo real.

São as novas sombras da caverna.

 

Eis uma visão crítica da nossa civilização dos objetos e da nossa conceção de felicidade:

 

"O homem branco (...) julga-se tão forte como o Grande Espírito.

Eis porque, do nascer ao pôr-do-sol, milhares e milhares de mãos mais não fazem do que fabricar coisas, coisas humanas cujo sentido ignoramos e cuja beleza desconhecemos. O papalagui procura sempre inventar coisas novas. As suas mãos tornam-se febris, o seu rosto, cor de cinza, e curvadas as suas costas; mas os olhos brilham-lhe de felicidade sempre que consegue uma nova coisa. Logo, todos a querem ter, todos a adoram e celebram.”

O Papalagui, Antígona, (p. 28)

publicado por Carlos João da Cunha Silva às 01:12

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14

17
18
19
20
22

23
25
26
27
29



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Filosofia
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO