Este pretende ser um "espaço" público de partilha de ideias, um espaço de comunicação...

09
Ago 11

 

(Em francês acaso diz-se hasard, do árabe az-zahr ou al-sâr, jogo de dados)

 

O mistério do nascimento é mais profundo e mais rico para meditar que o mistério da morte. É ele que nos confronta com o acaso ao passo que a morte nos entrega apenas ao destino. Quer eu ressuscite ou não, minha vida nesta terra nem por isso deixará de ter sido a mesma. Mas, e se eu não tivesse nascido? Ou se tivesse nascido de pais diferentes? Ou simplesmente, com os mesmos pais, se tivesse sido concebido a partir de um outro óvulo, de um outro espermatozóide? Seria outra pessoa, ou melhor, não seria. Toda morte é inevitável. Nenhum nascimento o é, mesmo que tenha sido desejado ou programado pelos pais. Morrer é um destino. Nascer, uma sorte.

COMTE-SPONVILLE, André, Op. Cit.

publicado por Carlos João da Cunha Silva às 16:42

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Agosto 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26

28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Filosofia
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO