Este pretende ser um "espaço" público de partilha de ideias, um espaço de comunicação...

08
Jun 09

Quer para o panteísmo, quer para o materialismo, o real traduz-se numa única substância: monismo espiritualista e monismo materialista.

Se admitirmos, porém, a ideia de "criação a partir do nada" (criação ex-nihilo), característica do cristianismo, temos que admitir que o real compreende duas substâncias: Deus ou Espírito (Ser criador, transcendente e distinto da criatura) e Mundo ou Matéria. Estamos, assim, perante um dualismo, por oposição ao monismo. 

Admitida a criação do mundo por Deus, qual o sentido dessa criação? Ou Deus liberta inteiramente o mundo ou não o liberta. Se o liberta, é porque lhe dá uma lei de autogoverno e independência total; se o não liberta, é porque o mantém sujeito à sua superior vontade. No primeiro caso, estamos perante uma concepção da natureza de Deus denominada Deísmo; no segundo, perante o Teísmo, característico das grandes religiões monoteístas: islamismo, judaísmo e cristianismo.

publicado por Carlos João da Cunha Silva às 21:29

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Junho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12

14
16
18
20

21
23
24
26
27

28
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Filosofia
mais sobre mim
pesquisar
 
Neste Momento
online
blogs SAPO