Este pretende ser um "espaço" público de partilha de ideias, um espaço de comunicação...

15
Mar 09

  (Descartes)

Um dos nossos leitores, AbC, comentou o recente post alusivo ao tema O Que é o Conhecimento? no qual se defende a tese inicial de que o nosso conhecimento básico do mundo nos chega através dos 5 sentidos. No comentário, o leitor contra-argumenta referindo que as pessoas incapacitadas de ver, tocar, ouvir, cheirar e falar também devem possuir alguma forma de conhecimento:  

"5 sentidos ? Pessoas incapacitadas de ver, tocar, ouvir, cheirar, falar ... não possuem conhecimento básico do mundo exterior?"

Trata-se, em nosso entender, de uma questão pertinente e que se enquadra, na perfeição, no âmbito da problemática gnosiológica. Claro que se alguém perde, por exemplo, a visão, desenvolve outros sentidos como a audição e o tacto e, deste modo, compensa e reequilibra a perda inicial. Parece extrema, embora não impossível, a possibilidade de alguém perder a totalidade dos sentidos. Convirá esclarecer que a tese segundo a qual o conhecimento tem origem nos sentidos ou na experiência é a tese empirista de J. Locke e de David Hume para quem a mente humana é comparável, à nascença, a uma folha em branco na qual nada está escrito (white paper) e a ideia parece não repugnar ao senso comum. Poderíamos mesmo defender que os sentidos estão para o ser humano como as janelas e as portas estão para uma casa. Eles constituem o input, a entrada. J. Locke distingue entre experiência externa, para se referir à sensação propriamente dita e experiência interna, para se referir às operações do espírito. Claro que a tese empirista constitui uma resposta radical ao problema da origem do conhecimento e encontra no racionalismo a sua antítese, nomeadamente no racionalismo cartesiano. Ora, o racionalismo, por oposição à teoria da tábua rasa, faz a apologia das ideias inatas, aquelas "sementes de verdade" com que somos dotados à nascença. O "penso, logo existo" de Descartes enquadra-se neste contexto. O trajecto intelectual deste autor dirige-se da pura interioridade, do pensamento ou cogito, para a exterioridade. Segundo ele, o dado absolutamente indubitável é a auto-consciência, entendida como sujeito que existe porque pensa e enquanto pensamento. Descartes crê ter encontrado, no seu interior mais profundo e radical, o ponto de partida para edificação do conhecimento do mundo, abdicando, deste modo, de todos os dados exteriores provenientes dos sentidos. Trata-se de mais um contributo para o problema da origem do conhecimento, embora, também ele, radical.
publicado por Carlos João da Cunha Silva às 19:32

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Março 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
14

16
17
19
21

22
23
25
26
28

29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Filosofia
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO