Este pretende ser um "espaço" público de partilha de ideias, um espaço de comunicação...

26
Fev 09

O Pequeno Mendigo, Murillo
A comunicação social, mais particularmente o Jornal de Notícias de hoje, fez eco de uma notícia algo bizarra:
"Um juiz do Tribunal de Barcelona, em Espanha, condenou quarta-feira um mendigo francês a um ano de prisão por ter roubado, com recurso à violência, metade de um pão.

O mendigo foi condenado à revelia por não ter sido notificado do julgamento, uma vez que não tem domicílio para o qual as autoridades pudessem ter enviado o aviso do julgamento.
De acordo com o juiz, o roubo aconteceu a 9 de Setembro, quando o indigente se dirigia à padaria "El Pan", em Badalona, Barcelona, e se apropriou de um pão que uma empregada apanhou também.
O mendigo terá começado a gritar em francês para intimidar a funcionária, tendo conseguido roubar metade do pão. Como prova de que se tratou de um furto violento, o juiz considerou o "sentimento de medo" que assustou a vítima.
"Se não tivesse sido usada a violência, a conduta não tinha sido constituída de delito de roubo, uma vez que o valor (do pão) é inferior a 400 euros", esclarece a sentença.
A legislação espanhola condena o roubo violento com penas de dois a cinco anos, pelo que o juiz condenou o pedinte a um ano, tendo em conta que se tratou de "um acto menor".

Ora, se é verdade que o roubo constitui, sempre, um acto condenável, quer do ponto de vista legal quer do ponto de vista moral ou ético, não deixa de ser também verdade que o roubo de um pão para saciar a fome é diferente de roubar para se ter um automóvel de luxo. Por tal facto, a “equidade” representa uma espécie de correcção da dureza da lei. Com efeito, já os romanos reconheciam que o direito rígido se torna injusto.
Mas, o que é a Equidade?
É a virtude que permite aplicar a generalidade da lei à singularidade das situações concretas. Neste sentido, é um “correctivo da lei”, como referia Aristóteles em Ética a Nicómaco. É a justiça aplicada, a justiça em situação.
Neste sentido, a equidade corresponde à humanização do direito porque designa a adequação das leis e do direito às necessidades sociais e às circunstâncias das situações singulares. Trata-se da justiça do caso concreto.
No caso do mendigo em análise, a dureza da sentença decretada pelo juiz em pouco contribuirá para a sua reabilitação.
Provavelmente restar-lhe-à, uma vez detido, o conforto de não ter que roubar para comer. 
publicado por Carlos João da Cunha Silva às 21:45

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Fevereiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
13


22
23
27


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Filosofia
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO