Este pretende ser um "espaço" público de partilha de ideias, um espaço de comunicação...

21
Set 14

Resultado de imagem para chuva

Encontrei-te fortuitamente,

Como que por mera casualidade,

Numa noite de outono,

Fresca e nublada.

Atraíste-me a ti,

Como um íman potente.

E sem razão aparente,

Embarcamos na caminhada.

Ao meu ouvido,

Balbuciaste algumas palavras,

Numa língua,

Que não a minha.

Toquei-te no rosto,

Entendeste a mensagem!

Endereçaste-me um desafio,

E eu anuí.

E dançamos na praça,

Debaixo da chuva,

Que entretanto,

De mansinho caía.

Dançamos,

E dançamos mais,

Com os corpos molhados,

Colados e calados.

E ao som do silêncio,

Fez-se sentido!

Disseste-me adeus.

E eu parti!

publicado por Carlos João da Cunha Silva às 23:41

05
Set 14
Hannah Arendt

Adolf Otto Eichmann (19 de março de 1906 — 1 de junho de 1962) foi um político da Alemanha Nazi e tenente-coronel das SS. Foi responsabilizado pela logística de extermínio de milhões de pessoas no final da Segunda Guerra Mundial - a chamada "solução final" - organizando a identificação e o transporte de pessoas para os diferentes campos de concentração, sendo por isso conhecido frequentemente como o executor-chefe do Terceiro Reich.

Em 11 de maio de 1960, Eichmann foi capturado na Argentina por uma equipa de agentes da Mossad, tendo sido, posteriormente, julgado em Israel. A sentença foi a pena de morte, aplicada pela primeira e única vez naquele país.

Hannah Arendt, filósofa política alemã de origem judaica, edita, em 1963, Eichmann em Jerusalém. A obra reúne artigos que escreveu sobre o julgamento de Eichmann.

Nesse livro, Eichmann não é retratado como um demónio ou um torcionário desequilibrado e sádico (como alguns o descreviam) mas como alguém "terrível e horrivelmente normal". Um típico "burocrata" que se limitara a cumprir ordens, com zelo, por amor ao dever, sem considerações acerca do bem e do mal. Um funcionário escrupuloso, animado pela preocupação exclusiva de cumprir o seu dever. Tais considerações conduzem Arendt à ideia de “banalidade do mal”.

A "estupidez burocrática", desembocando na obediência consentânea, resultaria – segundo Arendt – de um vazio de pensamento.

Neste sentido, Arendt destaca o elo entre o bem e o mal e a ausência de pensamento.

Deste modo, não sendo garantia de bondade, só a atividade de pensar poderá constituir fundamento da consciência moral.

publicado por Carlos João da Cunha Silva às 01:31

Setembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

22
23
24
25
26
27

28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Filosofia
mais sobre mim
pesquisar
 
Neste Momento
online
blogs SAPO