Este pretende ser um "espaço" público de partilha de ideias, um espaço de comunicação...

14
Fev 16

         

 “A imagem do beijo, enquanto fusão das duas imagens numa só.” - Roland Barthes

 

      Em O Banquete, Platão expõe o mito do Andrógino, de Aristófanes. Segundo este mito, cada homem era originalmente uma esfera. Havia-as de três tipos: macho, fêmea e andrógino, contendo este último os outros dois tipos. Tinha quatro mãos, quatro pernas, dois rostos numa única cabeça e dois órgãos genitais. Assim equipados, possuíam uma força imensa que os impeliu um dia a escalarem até ao céu para darem combate aos deuses. Os deuses ficaram embaraçados. Então, Zeus cortou-os em dois.

   Mutilados de metade de si mesmos, os homens tentaram, então, desesperadamente recuperá-la, abraçando-se, enlaçando-se um no outro.

     O que este mito nos ensina é que o Homem é um ser incompleto que tem de se lançar em busca da sua “metade da laranja” de modo a recuperar a integridade. Nesta perspetiva, o prazer sexual iria não apenas incitá-los à reprodução, mas deveria sobretudo dar-lhes um modo de aliviarem a dor da perda. O orgasmo surgiu como momento de efémero esquecimento de si próprio na memória permanente da incompletude que nos aflige. Um momento de suspensão extática e vital.

    Assim, na ausência amorosa somos, tristemente, uma “imagem deslocada”, que seca, amarelece, se encarquilha. Uma metade da esfera que não se torna redonda.

publicado por Carlos João da Cunha Silva às 19:02

Fevereiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20

21
22
24
25
26
27

28
29


Filosofia
Local
mais sobre mim
pesquisar
 
Neste Momento
online
blogs SAPO