Este pretende ser um "espaço" público de partilha de ideias, um espaço de comunicação...

08
Dez 08

O que torna uma acção moralmente boa? São os seus resultados, as suas consequências ou é a intenção com que é praticada? 

 

Vejamos o seguinte texto que nos permite enquadrar o problema:

 

"O leitor é um cirurgião - e um pouco filósofo. É o chefe de uma equipa de primeira linha de especialistas em transplante de órgãos, com um registo imaculado de resultados de sucesso. Na sua lista de espera encontram-se quatro jovens, todos desesperadamente doentes e a precisarem urgentemente de transplantes sem os quais morrerão em breve. Andrea precisa de um transplante de fígado, Barry de coração, Clarissa de pâncreas e Donald de pulmões. Não existem dadores disponíveis. O leitor está desesperado. Não entrou para a medicina por dinheiro; queria ajudar as pessoas e melhorar as suas vidas, e agora encontra-se diante de quatro jovens que estão a morrer. (...)

Quando está prestes a dizer aos seus pacientes que não há esperança, apercebe-se da entrada do novo recepcionista - por sinal, um jovem, Eric. Sabe, pela sua ficha médica, que é saudável. Os seus olhos adquirem um brilho. Pede a Eric que o acompanhe à sala de cirurgia, para lhe mostrar as instalações, claro, claro... o seu raciocínio silencioso é:

Quero fazer o meu melhor pelo maior número possível de pessoas. Ao matar Eric, tenho a possibilidade de distribuir os seus órgãos pelos jovens Andrea, Barry, Clarissa e Donald, salvando as suas vidas. É verdade, o mundo deixa de ter Eric; isso é mesmo uma triste perda. Mas ganhou as outras quatro vidas. Quatro pelo preço de uma é um óptimo negócio."

 

P- Do ponto de vista moral, será correcta esta acção?

 

CAVE, Peter, Duas Vidas Valem Mais Que Uma? Academia do Livro

 

(Ver Ética)

publicado por Carlos João da Cunha Silva às 00:01

Esta questão é um ciclo vicioso. Já que leitor ao matar Eric para salvar as outras quatro vidas, passado algum tempo teria as suas consequências que o levariam á prisão por homicídio e deixaria de poder ajudar mais pessoas. Mas se salva-se aqueles quatro jovens e ninguém descobrisse que tinha sido ele, o seu currículo ficaria mais preenchido, e consequentemente mais pessoas o irão procurar e posteriormente ele as ajudaria. Mas se eventualmente ele se arrepender e não matar o Eric , os quatro jovens não irão sobreviver, mas ele poderá continuar a ajudar pessoas com mais interesse e "garra" o que seria óptimo.
Por isso acho que devemos deixar que a natureza faça a sua acção e as oportunidades que ela nos dá são únicas e só existem uma vez na vida.
TS a 8 de Dezembro de 2008 às 16:47

Do ponto de vista moral, será correcta esta acção?

A esta pergunta não há resposta que todos concordariam. O Eric poderia salvar essas quatro pessoas se ele quiser, mas isso e uma decisão só dele. Uma coisa e certa, pelo texto apresentado, Eric poderia salvar estas quatro pessoas, pela vida de uma, a dele. Toda a gente tem direito de viver, mas perder a vida para salvar as de quatro indivíduos foi uma decisão do Eric.

Não vou dizer o que faria da vez do Eric, mas deixo uma fasta ideia sobre o assunto... "Se fosse pela família era capaz, por outros dependendo da situação"

Titi a 10 de Dezembro de 2008 às 20:00

Caros,
Como é óbvio, repugna ao senso comum e à cultura ocidental, cujo pilar é o cristianismo, a ideia de matar um para salvar quatro. As vidas não podem ser comparadas, em certo sentido. A pessoa humana é um sujeito e não um objecto ou um simples número.
No entanto, a questão não será consensual. Há quem argumente, por exemplo, que quando os EUA decidiram, em plena II Guerra, lançar a bomba atómica sobre Hiroxima, causaram muitas mortes e sofrimento, é certo, mas terá sido a bomba a pôr termo à referida guerra e, deste modo, evitar a morte de muitas mais pessoas. Neste sentido, teria valido a pena o lançamento da bomba.
Será?

C.
Anónimo a 11 de Dezembro de 2008 às 23:31

Penso que é uma pergunta muito pessoal, não sei se algum dia era capaz de matar! É verdade que se ele matasse o rapaz salvaria 4 vidas, mas será que ele iria conseguir viver sabendo que tinha "assassinado" uma pessoa!? Para além disso vai contra os seus princípios de médico! E há mais uma questão fundamental nesta acção: " Será que essas 4 pessoas iriam aceitar os orgãos de outra mesmo sabendo que ela tinha sido morta e não foi de livre vontade!?
Mas esta é a minha opinião!!!
EL. S a 14 de Dezembro de 2008 às 12:08

P- Do ponto de vista moral, será correcta esta acção?
A resposta a esta pergunta para mim, é que não é justo tirar a vida de um rapaz saudável para salvar quatro jovens. Se o rapaz fosse morto de livre vontade aí sim servia para salvar os quatro jovens, mas não foi morto de livre vontade logo foi injusto para ele. E será que o médico vai conseguir viver sem ressentimentos?
E
Anónimo a 14 de Dezembro de 2008 às 12:40

Dezembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10

15

21
25
27



Filosofia
Local
mais sobre mim
pesquisar
 
Neste Momento
online
blogs SAPO