Este pretende ser um "espaço" público de partilha de ideias, um espaço de comunicação...

06
Dez 08

 

Uma mulher estava a morrer com um tipo especial de cancro. Havia um medicamento que, segundo pensavam os médicos, podia salvá-la. Era uma forma de radium que um farmacêutico, na mesma cidade, descobrira recentemente. A manipulação do medicamento era cara, mas o farmacêutico cobrava dez vezes mais do que o preço do custo. Pagava $ 200 pelo radium e cobrava $ 2000 por uma pequena dose de medicamento. O marido da senhora doente, Heinz, recorreu a toda a gente que conhecia para pedir o dinheiro emprestado, mas só reuniu $ 1000, que era apenas metade do custo. Disse ao farmacêutico que a sua mulher estava a morrer e pediu-lhe para o vender mais barato ou se podia pagá-lo mais tarde. Mas o farmacêutico disse “não, descobri o medicamento e vou fazer dinheiro com ele”. Então, Heinz fica desesperado e pensa em assaltar a loja do homem e roubar o medicamento para a sua mulher. Seria errado fazê-lo? (Continua)

(Problema imaginado pelo psicólogo Lawrence Kohlberg)

(Ver Dilema)

publicado por Carlos João da Cunha Silva às 16:11

se fosse eu faria a mesma koisa
liriana rosa a 19 de Janeiro de 2014 às 15:13

Ok
Liriana, é uma possibilidade.

No entanto, Kholberg realçou um aspeto interessante: a resposta feminina diverge, normalmente, da masculina (representada, neste caso, por Heinz).

Seja



Vimara Peres a 21 de Janeiro de 2014 às 00:02

ladrao que rouba ladrao tem vida de perdao
metx a 16 de Fevereiro de 2015 às 23:19

Dezembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10

15

21
25
27



Filosofia
Local
mais sobre mim
pesquisar
 
Neste Momento
online
blogs SAPO