Este pretende ser um "espaço" público de partilha de ideias, um espaço de comunicação...

14
Set 13
René Magritte, O Espelho Falso
Como observou Aristóteles, a voz humana é o veículo privilegiado de valores que ultrapassam a simples sensibilidade individual e que possibilitam a organização de uma vida em comum. Como tal, a linguagem é atravessada, ainda segundo o estagirita, pela dimensão política (polis = cidade).

Até este ponto, estamos todos de acordo. No entanto, qual o papel da linguagem? Qual o seu estatuto e a sua função?

O senso comum encara realisticamente a linguagem – tal como, de resto, Aristóteles. Encarar realisticamente a linguagem significa defender que, desde que bem utilizada, ela pode espelhar fielmente a realidade – metáfora do espelho. A tradição filosófica encara a anterioridade do pensamento e do conhecimento em relação à linguagem como um dado natural. Além de anteriores, pensamento e conhecimento são – na perspetiva tradicional – independentes em relação à linguagem. Assim sendo, a linguagem tem, segundo esta perspetiva, uma função meramente instrumental: pelas palavras exteriorizamos as ideias previamente conhecidas e pensadas na nossa consciência. As ideias, por sua vez, são a representação, no sujeito, da realidade que está diante dele, da realidade exterior, do objectum.

Este modo tradicional de ver e encarar as relações entre linguagem, pensamento e conhecimento não é, no entanto, consensual. Richard Rorty fala mesmo em “viragem linguística” para caracterizar a recente tendência em considerar o conhecimento e o pensamento dependentes da linguagem. Tal “viragem” coincide com a viragem hermenêutica da filosofia. A corrente hermenêutica da filosofia supera a dicotomia sujeito-objeto e entende o conhecimento como um processo de interpretação, tendendo a sobrepor o conhecimento por apresentação ao conhecimento por representação e a sobrepor a “verdade” como manifestação à “verdade” como adequação.

Nesta nova perspetiva, a linguagem não se limita a ser uma mera cópia ou reflexo da realidade. A linguagem constrói fenomenicamente a realidade.

publicado por Carlos João da Cunha Silva às 00:51

Setembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
20
21

22
23
24
25
26
27

29
30


Filosofia
Local
mais sobre mim
pesquisar
 
Neste Momento
online
blogs SAPO