Este pretende ser um "espaço" público de partilha de ideias, um espaço de comunicação...

29
Ago 13

Magritte

Ao estabelecer a distinção radical entre o pensamento – res cogitans – atributo da mente, e a extensão – res extensa – atributo do corpo, Descartes constitui o ponto de partida clássico da Filosofia da Mente.

Dada a radical oposição estabelecida por Descartes entre os atributos do pensamento e da extensão, existe também uma radical oposição entre as mentes e os corpos, caracterizados respetivamente por tais atributos.

Como tal, surge a necessidade de clarificar o modo como mente e corpo interagem.

Como pode a vontade de erguer um braço, atributo associado à mente e ao pensamento, determinar o movimento corporal do braço?

É conhecida a resposta de Descartes à questão, que faz situar na glândula pineal o centro de interação mente-corpo.

É sabido que uma tal resposta carece de valor científico.

Por isso, a questão permanece em aberto, e a sua resposta remete para uma conceção dualista do ser humano ou para uma conceção monista.

À luz dos conhecimentos científicos atuais, ganha forma a teoria da identidade mente-cérebro. Trata-se de uma teoria materialista (monista) que defende a identidade entre processos mentais e processos cerebrais.

Porém, podemos ainda assim questionar: a Mente é o Cérebro?

publicado por Carlos João da Cunha Silva às 00:50

Agosto 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
17

19
21
22
23
24

25
26
27
28
30
31


Filosofia
Local
mais sobre mim
pesquisar
 
Neste Momento
online
blogs SAPO