Este pretende ser um "espaço" público de partilha de ideias, um espaço de comunicação...

08
Jul 13

 No artigo sobre filosofia analítica, extraído do Dicionário das Grandes Filosofias, Louis Vax, considera que “a tradição vê no conhecimento o ato psicológico de um sujeito que apreende um objeto pela razão ou pelos sentidos.

   O filósofo que fundamenta o conhecimento nos dados dos sentidos é um empirista; o filósofo que conclui o conhecimento como a apreensão das ideias que se formam no espírito, é um intelectualista. O que tende a absorver o objeto na consciência que dele se tem é um idealista e o filósofo que defende que o objeto existe fora do conhecimento, é um realista.

   Por opostas que sejam estas teorias, os seus adeptos não deixam de concordar num princípio comum: só há saber para um sujeito cognoscente. O saber é conhecimento de alguma coisa por alguém. O filósofo do conhecimento é um metafísico que se apoia numa psicologia.”

  

   Esta forma de fundamentar o conhecimento na psicologia foi, entretanto, alvo de objeções – em particular pela denominada filosofia analítica. Argumenta-se, agora, que as leis da lógica são independentes das leis psicológicas e que nenhum sentimento de evidência ou de incerteza, nenhuma série de experiências poderá refutar uma lei como esta:

 

Se todos os A são B

Se todos os B são C

Então, todos os A são C.

 

  Conhecida ou não, uma lei lógica é verdadeira por si própria. O seu assentimento não depende do sujeito cognoscente.

  Esta viragem que ocorreu na forma de conceber e fundamentar o “conhecimento”, não na psicologia mas na lógica, parece estar na base e na origem do “desprezo” da filosofia analítica em conceber o conhecimento como uma relação entre um sujeito cognoscente e um objeto conhecido.

  Ao mundo do objeto e do sujeito, os analíticos acrescentam um terceiro mundo, como o fez Karl Popper: o do “conhecimento sem sujeito cognoscente”. Este passa a constituir o objeto principal da filosofia analítica.

 

  Perante esta viragem radical na forma de conceber o conhecimento, cumpre, a quem ensina filosofia, inquirir:

 

       1. Poderemos falar em conhecimento prescindindo de um sujeito cognoscente?

       2. O conhecimento depende, exclusivamente, das leis lógicas? 

       3. Será o conhecimento filosófico uma ciência exata?

       4. Haverá Ciências Exatas?

publicado por Carlos João da Cunha Silva às 15:24

Julho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

14
15
16
19
20

22
23
24
25
27

28
29
30
31


Filosofia
Local
mais sobre mim
pesquisar
 
Neste Momento
online
blogs SAPO