Este pretende ser um "espaço" público de partilha de ideias, um espaço de comunicação...

07
Jul 13

A definição de ação humana – e toda a rede de conceitos a ela associada (Paul Ricoeur, O Discurso da Ação) – pressupõe, à partida, a existência de uma vontade livre (livre arbítrio).

Sem livre-arbítrio, como poderíamos falar em “interferência consciente e voluntária de um agente no normal decurso das coisas, que sem a sua interferência seguiriam um caminho distinto”?

Sem livre-arbítrio, como poderíamos deliberar e decidir?

Sem livre-arbítrio, as ações não passariam de meros acontecimentos.

Porém, os recentes progressos ao nível do conhecimento científico, nomeadamente no domínio das neurociências, constituem fortes argumentos contra o livre-arbítrio.

São disso exemplo, os argumentos aduzidos pelas experiências conduzidas por Benjamin Libet, H. Kornhuber ou por José Delgado, no âmbito das neurociências.

Tais experiências revelam que enquanto a decisão consciente de mover um dedo, por exemplo, ocorre uma fração de segundo antes do movimento do dedo, a atividade elétrica do cérebro, medida por um Eletroencefalograma, mostra que a decisão de mover o dedo ocorre depois da atividade cerebral que causa esse mesmo movimento do dedo.

Tal experiência parece demonstrar que a afirmação de uma vontade livre é uma ilusão.

Inserindo-se nesta linha de pensamento, José António Alves, em Limites da Consciência – o Meio Segundo de Atraso e a Ilusão da Liberdade – desenvolve a ideia de que a liberdade humana é ilusória.

 

São suas, as seguintes palavras:

 

“A tradição filosófica concebe que nas ações livres são os pensamentos ou desejos de ação a causa da ação. Quando um ser humano afirma que vai levantar o braço direito, a causa dessa ação é a vontade de querer levantar o braço direito inerente à afirmação proferida. Libet sublinha que se a afirmação do ser humano é a causa da ação, então o surgir da afirmação na consciência deverá ser anterior ou simultâneo a qualquer atividade física do cérebro.

(Porém), os resultados obtidos por Libet contradisseram a ideia de que a vontade precede ou, pelo menos, está no início da atividade cerebral associada à ação livre. No confronto dos dois tipos de valores temporais, os investigadores descobriram que a atividade cerebral física precede sempre o momento em que o sujeito se torna consciente de querer agir. “ (Op. Cit., Pág. 80) 

publicado por Carlos João da Cunha Silva às 16:30

Julho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

14
15
16
19
20

22
23
24
25
27

28
29
30
31


Filosofia
Local
mais sobre mim
pesquisar
 
Neste Momento
online
blogs SAPO