Este pretende ser um "espaço" público de partilha de ideias, um espaço de comunicação...

09
Ago 11

 

(Em francês acaso diz-se hasard, do árabe az-zahr ou al-sâr, jogo de dados)

 

O mistério do nascimento é mais profundo e mais rico para meditar que o mistério da morte. É ele que nos confronta com o acaso ao passo que a morte nos entrega apenas ao destino. Quer eu ressuscite ou não, minha vida nesta terra nem por isso deixará de ter sido a mesma. Mas, e se eu não tivesse nascido? Ou se tivesse nascido de pais diferentes? Ou simplesmente, com os mesmos pais, se tivesse sido concebido a partir de um outro óvulo, de um outro espermatozóide? Seria outra pessoa, ou melhor, não seria. Toda morte é inevitável. Nenhum nascimento o é, mesmo que tenha sido desejado ou programado pelos pais. Morrer é um destino. Nascer, uma sorte.

COMTE-SPONVILLE, André, Op. Cit.

publicado por Carlos João da Cunha Silva às 16:42

Agosto 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26

28
29
30


Filosofia
Local
mais sobre mim
pesquisar
 
Neste Momento
online
blogs SAPO