Este pretende ser um "espaço" público de partilha de ideias, um espaço de comunicação...

22
Jun 09

Por que razão devemos agir de acordo com princípios morais, ou seja, orientados por valores? Por que razão são eticamente reprováveis a mentira e a falsidade? Por que razão é o Homem um animal ético?

São questões deste género que conduziram Kant aos postulados da Razão Prática. Um desses postulados é o da existência de Deus, um pouco na linha daquilo que Dostoiévski, anos mais tarde, viria a afirmar: "se Deus não existisse, tudo seria permitido".

Pensa Kant: se o dever é absoluta e objectivamente certo, segue-se que as condições da sua possibilidade, também necessariamente o são. O imperativo categórico supõe verdades, sem as quais seria inconcebível, ou seja, supõe os postulados da razão prática, na terminologia de Kant.

O primeiro desses postulados é o da liberdade. Se devo, posso. Com efeito, sem liberdade não há obrigação. A liberdade humana é, pois, o primeiro postulado da razão prática.

Por outro lado, o ideal de perfeição que devemos querer, não se pode realizar nesta vida, o que supõe a imortalidade da alma - segundo postulado.

Por fim, concebemos uma relação necessária entre a moralidade e a felicidade. Ora, a natureza é incapaz de realizar plenamente esta união. Por isso, pensa Kant, tem de existir um ser superior à natureza, tão sábio que possa justamente avaliar o mérito do ser moral e que possa distribuir a felicidade de um modo exactamente proporcional à virtude. A existência de Deus é, pois, o terceiro postulado, uma vez que sem Ele a virtude não seria perfeitamente feliz.

publicado por Carlos João da Cunha Silva às 17:08

Junho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12

14
16
18
20

21
23
24
26
27

28
30


Filosofia
Local
mais sobre mim
pesquisar
 
Neste Momento
online
blogs SAPO