Este pretende ser um "espaço" público de partilha de ideias, um espaço de comunicação...

28
Mai 09

"O homem estético vive de acordo com os sentidos, com as emoções, com os impulsos. Encara a realidade do ponto de vista da sensibilidade.

Vive poeticamente, determina a sua existência de acordo com a fantasia e a imaginação. Vive, assim, descomprometidamente procurando o prazer como fim da acção, procurando esgotá-lo.

Entregando-se à espontaneidade e, vivendo de acordo com o instante, não obedece a padrões morais universais. O instante, diz Kierkegaard, é o encontro do tempo e da eternidade, é a ligação do passado e do futuro. O esteta não se entrega a um empenhamento profundo e nega a submissão a uma lei moral ou religiosa. Busca, constantemente, novos prazeres. 

A existência do homem estético não tem unidade; é, apenas, sequência de momentos justapostos, existência amoral, dispersa, sem forma e instável. A sedução é, precisamente, a atitude que não permite dar continuidade à sua existência, atitude que evita as ligações estáveis. O homem esteta é comandado pelo desejo, nomeadamente o desejo erótico. A figura representativa deste estádio é o Don Juan, o sedutor, que termina no desespero e na perdição porque vive permanentemente insatisfeito".

Mário Ferro e Manuel Tavares, Conhecer os Filósofos de Kant a Comte  

publicado por Carlos João da Cunha Silva às 16:17

Maio 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
14
15

18
19
20
23

30



Filosofia
Local
mais sobre mim
pesquisar
 
Neste Momento
online
blogs SAPO