Este pretende ser um "espaço" público de partilha de ideias, um espaço de comunicação...

29
Abr 09

 

  O mundo para Schopenhauer é o teatro do pecado, do sofrimento e da morte, no qual não há heróis e no qual o optimismo resulta ser um personagem estranho ao argumento. O mundo é pensado como um grande palco em que a representação que aquele oferece encerra em si um carácter trágico e dramático.

  A arte porém, afigura-se como um dos possíveis caminhos de libertação da aparência e do vazio em que o homem teima em estar enclausurado. Na contemplação de uma obra de arte, seja ela a música, a poesia, as artes plásticas, o homem eleva-se acima da sua personalidade, da sua individualidade, escapa à corrente instável dos fenómenos e renuncia ao conhecimento ligado ao princípio da razão.

  O artista ao emprestar-nos os seus olhos para observar o mundo, reconforta-nos das paixões e das necessidades, dos desejos e das misérias do querer.

  A música é considerada, por excelência, a verdade da arte, porque está para além das fórmulas da representação. É a arquitectura da intensidade. É a intensidade da Vontade. Esta Vontade é una e indivisível, porque a vontade segmentada resulta a luta de vários desejos e consequentemente a agressividade entre os indivíduos. O mundo é dor e sofrimento, fruto da obra do próprio homem. Só a contemplação estética o levará a fugir da infelicidade mundana.

  O escutar de uma peça musical eleva-nos para algures no infinito, para lá das aparências. Uma melodia musical pode-nos revelar o sentido mais íntimo das coisas e dar-nos a percepção de todos os acontecimentos possíveis, isto é, dá-nos o todo. Ao mesmo tempo que nos eleva à contemplação de tudo o que existe na sua unidade, dissolve o nosso eu e anula todo o sofrimento e dor próprio do mundo fenoménico.

  Enquanto que as outras artes falam de sombras, a música, pelo contrário, fala do ser. O mundo poderia designar-se como uma incarnação da música, daí que se compreenda porque é que um quadro, uma cena da vida ou a leitura de um poema se forem acompanhados por uma melodia musical, alcancem um sentido mais elevado. A música, como linguagem eminentemente universal, exprime de uma forma única, através dos sons, com verdade e precisão, o ser e a essência do mundo.   
Fonte - "O Mundo como Vontade e Representação"  e "Dores do Mundo"  de Schopenhauer 
                                              
Já agora sugiro que se escute o tributo que foi feito à nossa Amália, por alguns dos nossos artistas - The Gift, Plaza e Moonspell
 
publicado por Carlos João da Cunha Silva às 20:29

Abril 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
13
14
15
16
17

19
21
22
24
25

27
28
30


Filosofia
Local
mais sobre mim
pesquisar
 
Neste Momento
online
blogs SAPO