Este pretende ser um "espaço" público de partilha de ideias, um espaço de comunicação...

29
Abr 09
 

«A questão fundamental da ciência e da técnica contemporânea não é, pois, a de saber donde poderemos nós ainda tirar as quantidades de combustível e de carborante que necessitamos. A questão decisiva é: de que maneira poderemos nós dominar e dirigir essas energias atómicas, cuja ordem de grandeza ultrapassa toda a imaginação, de maneira a garantir que elas de um momento para o outro, e mesmo sem ser num acto de guerra, não nos escapem por entre os dedos e tudo destruam. (...) As organizações, aparelhos e máquinas do mundo técnico tornaram-se indispensáveis, mais para uns do que para outros. Seria insensato investir contra o mundo técnico e seria fazer prova de miopia querer condenar esse mundo como sendo obra do diabo. Nós dependemos desses objectos que a técnica nos fornece e que, por assim dizer, nos permitem aperfeiçoá-los incessantemente. No entanto, a nossa relação às coisas técnicas é tão forte que, em nosso entender, nos tornamos seus escravos. (...)

É possível dizer sim ao uso inevitável dos objectos técnicos e dizer não, de modo a que se impeça o monopólio, o falseamento, a deturpação e o esvasiamento do nosso ser. Contudo, se dizemos simultaneamente sim e não aos objectos técnicos, a nossa relação com eles não se tornará ambígua, incerta? Pelo contrário, (...). Admitimos os objectos técnicos no nosso mundo quotidiano e ao mesmo tempo deixamo-los de fora, quer dizer, deixamo-los repousar sobre si mesmos, como coisas que não têm nada de absoluto, mas que dependem de algo mais elevado que elas.»

HEIDEGGER, M.; Gelassenheit; Serenité in Questions III.

publicado por Carlos João da Cunha Silva às 19:40

Abril 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
13
14
15
16
17

19
21
22
24
25

27
28
30


Filosofia
Local
mais sobre mim
pesquisar
 
Neste Momento
online
blogs SAPO