Este pretende ser um "espaço" público de partilha de ideias, um espaço de comunicação...

19
Fev 09

Ficheiro:Sandro Botticelli 046.jpg(O Nascimento de Vénus, Botticelli)

De acordo com um dos fundadores da Sociologia, Augusto Comte, a ciência atravessou na sua evolução três estádios: teológico, metafísico e positivo.

Na era "teológica" as explicações dos fenómenos eram dadas pela intervenção de uma multiplicidade de deuses. Porém, a humanidade caminhou no sentido de substituir o politeísmo por um monoteísmo.

Foi a difusão do Judaísmo, do Cristianismo e do Islamismo que permitiu a crença num Deus único, criador e omnipotente.

Todavia, enquanto que para Comte este facto constituiu, em determinada fase da evolução da humanidade, um progresso social, para o filósofo Nietzsche, para quem o pluralismo é a maneira de falar propriamente filosófica e único garante da liberdade no espírito concreto, os deuses morreram, mas morreram a rir ao escutar um Deus dizer que era o único. A afirmação de um Deus único revela-se, neste sentido, incompatível com o pluralismo na medida em que se apresenta como a única Verdade suprema. Ora, não existe um acontecimento, um fenómeno, uma palavra ou um pensamento cujo sentido não seja múltiplo, considera Nietzsche.

publicado por Carlos João da Cunha Silva às 22:52

Fevereiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9


22
23
27


Filosofia
Local
mais sobre mim
pesquisar
 
Neste Momento
online
blogs SAPO