Este pretende ser um "espaço" público de partilha de ideias, um espaço de comunicação...

13
Fev 09

Quem nunca se viu perseguido, sem que os seus acusadores lhe dissessem as razões dessa perseguição?

Em O Processo, Kafka reproduz a negação do Estado Democrático de Direito e, ao mesmo tempo, leva o leitor a perceber que, mesmo vivendo sob a égide da Democracia "plena", há que se não perder de vista que as instituições não guardam a sua razão de ser na prestação de serviço público, mas na submissão ao poder e às camadas dominantes.
Embora Kafka tenha retratado um autoritarismo da Justiça que se vê com o poder nas mãos para condenar alguém, ou perpetrar "terrorismo psicológico", sem lhe oferecer meios de defesa, ou ao menos conhecimento das razões da punição, podemos levar a figura de Josef K., o protagonista do romance, bem como de seus acusadores, para vários campos da vida humana.
Sinopse
O Processo é uma das obras mais fascinantes e enigmáticas de Franz Kafka. O romance arranca com a detenção do protagonista, Josef K.. Alguém o denunciou mas não existe um delito evidente. A partir de então, o acusado ver-se-á imerso num absurdo processo judicial de labirintos burocráticos em que se debate o seu direito a existir. Para além disso, K. não terá conhecimento em nenhum momento de quais são as acusações que lhe imputam nem a natureza do supremo tribunal que o julga. Desta forma, o romance conduz-nos à mesma essência do terror. O protagonista, impotente, tenta averiguar as misteriosas razões do seu processo e inicia a sua própria busca da verdade dentro do caos mais absoluto.
publicado por Carlos João da Cunha Silva às 23:18

Fevereiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9


22
23
27


Filosofia
Local
mais sobre mim
pesquisar
 
Neste Momento
online
blogs SAPO