Este pretende ser um "espaço" público de partilha de ideias, um espaço de comunicação...

21
Jan 09

É sabido que o homem, enquanto animal racional, vive na intersecção de dois “mundos”, distintos mas complementares: o mundo dos factos (do que é, do ser, do que acontece, do descritível, em suma, do real) e o mundo dos valores (do que vale, do dever-ser, do preferível, do possível, em suma, do ideal).
A miséria no mundo, as guerras e o aquecimento global são factos indiscutíveis perante os quais é suposto o homem não ser indiferente.

Diz-se que a Cultura é realização de Valores e que estes constituem uma “bússola” orientadora da acção humana. Mas, o que se quer dizer com a palavra valores? O que são? Qual a sua essência? As coisas valem porque as desejamos ou desejamo-las porque valem?
Não se trata de mero jogo de palavras. As duas últimas proposições colocam-nos perante um dos problemas centrais da axiologia, a saber, o problema da natureza dos valores.
Se afirmamos que as coisas valem porque as desejamos, estamos a colocar a tónica no sujeito, deslocando o valor da esfera do objecto para a esfera do sujeito. A ser verdade esta tese, é o homem o criador dos valores.
Ao invés, se afirmamos que desejamos as coisas porque valem, estamos a colocar a tónica no objecto, deslocando o valor da esfera do sujeito para a esfera do objecto. A ser verdade esta tese, o homem limita-se a reconhecer valores.
A primeira tese denomina-se subjectivismo axiológico e a segunda objectivismo.
publicado por Carlos João da Cunha Silva às 20:30

Janeiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

14

23

31


Filosofia
Local
mais sobre mim
pesquisar
 
Neste Momento
online
blogs SAPO